IMPORTANTE!!!

Nascemos, crescemos e vivemos como se a vida fosse apenas um pequeno espaço de tempo que temos para cumprir aqui na terra. Vivemos em busca de um dia melhor , mais interessante que o outro, corremos em busca muitas vezes de alegria, de sucesso, de fama, de uma vida profissional; bem sucedida. Ou simplesmente de viver cada dia como se fosse o ultimo de nossas vidas. Curtir, sair para se divertir, correr, pular, correr, dançar enfim viver correndo para tudo como se não houvesse o futuro a nos esperar. Nos enganamos se pensamos ou vivemos assim, existe um futuro que pode ser eternamente bom ou eternamente ruim, isso só depende do caminho que eu e você procuramos seguir hoje. A Vida como um jardim, que hoje as flores nascem, florescem e amanhã murcham e cai. Mas existe um amor que nos faz viver e eternamente bem, existe um lugar onde as flores não morrerão, onde não haverá cansaço, não haverá nem correria, um lugar onde o senhor preparou para nóis ao seu lado vivermos. Jesus no quer que você deixe de viver. Corra, brinque, se alegre, sorria, seja um jovem feliz, mais lembre-se que você pode ser assim e ter um futuro muito melhor com Jesus na sua vida. Porque Jesus morreu para que nós tenhamos vida e vida com abundância no Senhor. Jesus ama você. Aceite o desafio de conhecer e viver com Jesus.

ATENÇÃO.

ESCLARECIMENTO: ESTE BLOG NÃO TEM A INTENÇÃO DE JULGAR NENHUM TIPO DE CRENÇA OU RELIGIÃO, E SIM LEVAR O CONHECIMENTO E A INFORMAÇÃO AO POVO DE DEUS, E AS PESSOAS, DAS COISAS QUE ESTÃO ACONTECENDO NA INTERNET E NO MUNDO. MUITAS COISAS AQUI PODEM NÃO SEREM VERDADE, POIS TEMOS QUE ANALISAR AS COISAS, E VER O QUE ESTÁ CORRETO OU NÃO. JESUS DISSE: PROVAI DE TUDO E RETEM O QUE É BOM. TAMBÉM DISSE: MEU POVO PERECE POR FALTA DE CONHECIMENTO. E EU DIGO: CONTRA FATOS, NÃO HÁ ARGUMENTOS. PEÇO AOS IRMÃOS QUE OREM POR NÓS.
QUE A PAZ DE JESUS ESTEJA COM TODOS.

Bezerra da Silva: da umbanda à igreja evangélica.



A polêmica capa do LP "Eu não sou santo", de Bezerra da Silva, em 1990.

José Bezerra da Silva nasceu em Recife e mudou-se para o Rio de Janeiro aos 15 anos fugindo da fome, apenas com a roupa do corpo. Fez a viagem num navio que carregava açúcar.

Durante sete anos viveu como mendigo nas ruas de Copacabana, onde inclusive tentou suicídio, mas foi salvo por um Santo da Umbanda, onde se tornou um praticante até ingressar na Igreja Evangélica. Passou então a trabalhar na construção civil como pintor de paredes e tinha como endereço a obra no centro da cidade onde exercia sua profissão. 

Iniciado na música por Jackson do Pandeiro, Bezerra estudou violão clássico por oito anos e passou outros oito anos tocando na orquestra da TV Globo. Era um dos poucos partideiros que lia música.

Como ele próprio explica, sua ligação com o mundo musical se deu por causa do "medo da fome", onde a única saída que tinha era "lutar por dias melhores", pois "tinha dias que trabalhava e não comia". 

Cantor e compositor de veia ácida, Bezerra fazia duras críticas contra as injustiças sociais. Suas músicas eram quase sempre de outros compositores, em parcerias que ele cultivava há muitos anos. Nas letras dos sambas desses compositores se expressam os conflitos sociais de uma população marginalizada. Tudo através de uma ótica bem humorada, mas também áspera. São letras com palavras duras, de uma gente lutadora e inconformada.

Bezerra não gostava que o chamassem de pagodeiro, pois dizia que "quando a música é feita por pobre, analfabeto ou crioulo, eles dizem que é pagode. Eu não aceito isso!".

Apesar de ser um campeão de vendas (seus mais de 25 discos já venderam aproximadamente três milhões de cópias), Bezerra da Silva foi sempre excluído da grande mídia.

Em 2001 retornou à Igreja Universal do Reino de Deus e em 2003 gravou um CD com músicas gospel. Em 2005, perto da morte, mas ainda em plena atividade, participou de composições com Planet Hemp, O Rappa, Velhas Virgens e outros nomes da MPB.

Bezerra morreu na manhã de segunda-feira, dia 17 de janeiro de 2005 aos 77 anos, depois de sofrer uma parada cardíaca. O curioso desta data é que Bezerra, quando morresse, queria que não fosse numa sexta-feira ou feriado, para não atrapalhar a praia dos amigos. E morreu numa segunda-feira - ou seja, depois do fim-de-semana, e a data da sua morte forma o número 171 (17/1).

Considerado o embaixador dos morros e favelas, cantou sobre os problemas sociais encontrados dentro das comunidades, se apresentando no limite da marginalidade e da indústria musical.

É considerado também um dos principais expoentes do samba do estilo partido alto. Os principais temas de suas canções foram a vida do povo e os problemas da sociedade e das favelas, como a exploração e a opressão sofridas pelos trabalhadores, a malandragem e ladrões à margem da lei, a questão do uso de drogas como a maconha e a condenação à caguetagem (delação de companheiros). Esta última temática refere-se a uma das principais estratégias de sobrevivência onde a "malandragem" exerce influência e medo para que os moradores destas localidades não os delatem aos órgãos do Estado. 

Reflexos de uma sociedade sob um estado incapaz de garantir a segurança da população, que precisa apelar para a segurança oferecida por traficantes, pois os indivíduos de fora deste grupo social os tem como inimigos. Concluindo-se assim, que não são os moradores do morro que fomentam a guerra, apenas defendem-se como podem.

fonte.
http://libertosdoopressor.blogspot.com.br/

Nenhum comentário: