IMPORTANTE!!!

Nascemos, crescemos e vivemos como se a vida fosse apenas um pequeno espaço de tempo que temos para cumprir aqui na terra. Vivemos em busca de um dia melhor , mais interessante que o outro, corremos em busca muitas vezes de alegria, de sucesso, de fama, de uma vida profissional; bem sucedida. Ou simplesmente de viver cada dia como se fosse o ultimo de nossas vidas. Curtir, sair para se divertir, correr, pular, correr, dançar enfim viver correndo para tudo como se não houvesse o futuro a nos esperar. Nos enganamos se pensamos ou vivemos assim, existe um futuro que pode ser eternamente bom ou eternamente ruim, isso só depende do caminho que eu e você procuramos seguir hoje. A Vida como um jardim, que hoje as flores nascem, florescem e amanhã murcham e cai. Mas existe um amor que nos faz viver e eternamente bem, existe um lugar onde as flores não morrerão, onde não haverá cansaço, não haverá nem correria, um lugar onde o senhor preparou para nóis ao seu lado vivermos. Jesus no quer que você deixe de viver. Corra, brinque, se alegre, sorria, seja um jovem feliz, mais lembre-se que você pode ser assim e ter um futuro muito melhor com Jesus na sua vida. Porque Jesus morreu para que nós tenhamos vida e vida com abundância no Senhor. Jesus ama você. Aceite o desafio de conhecer e viver com Jesus.

ATENÇÃO.

ESCLARECIMENTO: ESTE BLOG NÃO TEM A INTENÇÃO DE JULGAR NENHUM TIPO DE CRENÇA OU RELIGIÃO, E SIM LEVAR O CONHECIMENTO E A INFORMAÇÃO AO POVO DE DEUS, E AS PESSOAS, DAS COISAS QUE ESTÃO ACONTECENDO NA INTERNET E NO MUNDO. MUITAS COISAS AQUI PODEM NÃO SEREM VERDADE, POIS TEMOS QUE ANALISAR AS COISAS, E VER O QUE ESTÁ CORRETO OU NÃO. JESUS DISSE: PROVAI DE TUDO E RETEM O QUE É BOM. TAMBÉM DISSE: MEU POVO PERECE POR FALTA DE CONHECIMENTO. E EU DIGO: CONTRA FATOS, NÃO HÁ ARGUMENTOS. PEÇO AOS IRMÃOS QUE OREM POR NÓS.
QUE A PAZ DE JESUS ESTEJA COM TODOS.

Site do Irã oferece R$ 200 mil a quem matar rapper autor de música polêmica.



Shanin Najafi é nascido no Irã, mas vive na Alemanha hoje

Com letras que tocam em assuntos ultrassensíveis e uma capa de álbum que mostra a cúpula de uma mesquita no formato do seio de uma mulher, Shanin Najafi é um rapper internacional que causa uma reação intensa em Teerã.

Mas a última música de Najafi, intitulada "Naghi" em homenagem a um reverenciado líder espiritual, provocou um alvoroço especial. Os opositores de Najafi estão usando uma fatwa (ponunciamento legal) emitida recentemente pelo aiatolá Lotfollah Saafi-Golpaygani, que rotula todos que insultam o 10º imã xiita Ali al-Hadi al-Naqi, também conhecido como Imam Naghi, como apóstatas. Um site islâmico ofereceu uma recompensa de US$ 100 mil para quem matar Najafi, que nasceu no Irã, canta em persa, mas vive na Alemanha.

Na música, Najafi pede que o imã Naghi retorne no lugar do 12º imã, o messias xiita. Ele canta que o Irã está pronto para sacrificar a si mesmo com a ajuda do religioso para resolver problemas como "slogans rasos" e "tapetes de reza feitos na China". A música é carregada com uma linguagem típica das ruas.

O website iraniano shia-online.ir, afirmou que Najafi havia ido longe demais em insultar o imã, que é reverenciado pelos muçulmanos xiitas. O responsável pelo site, Fouad Ebadi, disse que os US$ 100 mil foram oferecidos por alguém de um Estado árabe no Golfo Pérsico. "Nós não queremos revelar sua identidade, a fim de protegê-lo," disse.

Najafi, 31 anos, disse que não queria criticar o islã. "Eu achei que haveria reclamações", disse o rapper à emissora alemã Deutsche Welle. "Mas não achava que perturbaria o regime desse jeito. Agora eles estão tirando proveito da situação e fazendo com que pareça que eu estava tentando criticar a religião e os fiéis."

Internet

No Facebook, que milhões de jovens iranianos usam para debates acalorados sobre temas que as emissoras estaduais nunca discutirão, surgiram inúmeras páginas atacando e defendendo Najafi.

Uma página, curtida por quase 1 mil pessoas, mostrava uma foto do rapper com o texto: "Vamos matar você, animal." Apoiadores de Najafi pediram o fechamento da página, dizendo que sua música não passava de um exemplo de liberdade de expressão.

Ser rotulado como um apóstata é algo punível com morte sob as leis islâmicas no Irã. Ainda assim, a fatwa é diferente da sentença de morte religiosa emitida em 1989 pelo aiatolá Ruhollah Khomeini contra o escritor britânico Salman Rushdie por causa do livro "Os Versos Satânicos" porque foi feita por um líder religioso que não tem nenhum papel político.

"Assim como o pastor Terry Jones da Flórida, que queimou Alcorões no passado, não representa nada para o governo americano, essa fatwa não representa nada para o governo do Irã", disse Sadollah Zarei, colunista do jornal estatal linha-dura Kayhan. "Isso foi feito por um grupo religioso da nossa sociedade."
fonte;

Pastor Silas Malafaia: “Tenho pastores que ganham entre R$ 4 e 22 mil"



Líder da igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo fala sobre a Marcha para Jesus, gays, aborto, política e dízimo

Aos 53 anos, o pastor Silas Malafaia não teme polêmicas. Líder da igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo, que neste sábado (19) promove a Marcha para Jesus no Rio, com expectativa da presença de mais de 200 mil pessoas, o religioso é considerado o principal inimigo dos ativistas gays, ao lado do deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ).

Malafaia também é contra o aborto. Em qualquer situação. Suas posições marcantes atingem ainda líderes evangélicos, como o bispo Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus, e o apóstolo Valdemiro Santiago, da Igreja Mundial do Poder de Deus. “Mantenho distância dos dois por causa das posturas desleais que ambos tiveram comigo”, diz.

O pastor está há 30 anos ininterruptos na televisão. Seu programa “Vitória em Cristo” é exibido todos os sábados em três emissoras: Bandeirantes, Rede TV e CNT; e de segunda a sexta-feira, apenas na CNT. A versão dublada é exibida em mais de 200 países. Por seus horários na Rede TV, ele paga R$ 900 mil por mês e, na CNT, R$ 450 mil. Por impedimento contratual, ele não pode divulgar os valores com a Rede Bandeirantes.

Malafaia também não foge de perguntas sobre as doações que os fiéis fazem para sua igreja. “Não posso ficar perguntando a 25 mil membros de onde vem o dinheiro. Mas se um cara chega para mim e diz que fez uma tramoia, não quero. Ô pastor, fiz um negócio aqui com a Delta ou com o Cachoeira...”, debocha.

Filho de um militar da Aeronáutica com uma educadora, ambos evangélicos, e formado em psicologia, Malafaia é casado com Elizete, que conheceu aos 14 anos, e tem três filhos com ela. Com forte sotaque carioca, utilizando gírias e expressões como “amigo” e “irmão” a todo instante, o pastor conversou com o iG sobre temas variados, entre eles os salários de pastores, política e Igreja Católica. O movimento homossexual, obviamente, não ficou de fora. E sobre o tema, ele faz questão de dizer que, para ele, existem, sim, ex-gays.

iG: Qual é a principal mensagem que vocês vão passar na Marcha para Jesus no Rio?

Silas Malafaia: Ela é baseada em quatro princípios que acreditamos: em favor da liberdade de expressão, da vida, da liberdade religiosa e da família tradicional composta por homem, mulher e seus filhos. Marcamos as posições que defendemos.

iG: Isso ficou claro no evento realizado no ano passado em São Paulo, quando foram abordados temas como a união gay e o aborto. Uma de suas bandeiras é ser contra o projeto de lei que criminaliza a homofobia. Por quê?

Silas Malafaia: Deixa eu te falar uma coisa, amigo. Os grupos ativistas gays passam de usuários da liberdade de expressão para censores. Essa lei, como está aqui no Brasil, não existe em nenhum lugar do planeta Terra. Ela fere frontalmente a Constituição, é uma piada. A Constituição diz que ninguém pode ser cerceado por convicção religiosa, política ou filosófica. É uma lei do privilégio.

iG: Mas o senhor não acha que deveria ser feito algo para evitar as discriminações e agressões físicas aos gays?

Silas Malafaia: Não desejo que ninguém morra, ok? Mas os homossexuais dizem que foram assassinados 260 deles no ano passado. Cinquenta mil pessoas foram assassinadas no Brasil no ano passado. O número de homossexuais mortos representa 0,52%. Um dado que eles não falam: grande parte das mortes é resultado de briga de amor entre eles. Que papo é esse? No mínimo, uns 50%. Homofobia é falácia de ativista gay para manter verbas para suas ONGs para fazer propaganda de que o Brasil é um país homofóbico. Homofóbico uma vírgula, amigo.

iG: Por causa desses números, que o senhor considera baixos, a lei não precisaria ser criada?

Silas Malafaia: É lógico! E tem outra, amigo. Na lei diz o seguinte: pena de três a cinco anos de cadeia para as pessoas que impedirem a presença de qualquer homossexual em locais públicos de sua relação afetiva. O lugar do culto, o templo, é garantido pela Constituição, mas o pátio da igreja não está. Significa que, se um casal de homossexuais estiver se beijando no pátio da minha igreja e eu colocar para fora, vou pegar de três a cinco anos de cadeia. Que história é essa? É uma aberração! No Brasil, pode-se criticar presidentes, políticos, ministros, pastores, padres, o diabo. Se criticar homossexual, é homofobia. Manda esses caras verem se eu tô na esquina!

iG: O senhor acredita que possa haver ex-gay?

Silas Malafaia: Se você quiser, eu te mostro. Existe uma associação de ex-gays. O cara que preside foi travesti em Roma, com silicone no peito e na bunda (ri). Ele é casado há dez anos. Ser homossexual é um comportamento, como tantos outros. Ninguém nasce homossexual. Não tem ordem cromossômica ou determinismo genético. Mas o cara quer ser gay? É um direito dele. E essa conversa do deputado federal gay de que a igreja evangélica provoca tortura física e psicológica para curar gays? Isso é um safado, mentiroso! Quando é que a igreja força alguém a deixar de ser gay? A igreja não cura, ela trabalha com uma palavra chamada libertação.

iG: E se o seu filho fosse gay, o que o senhor faria?

Silas Malafaia: Amaria 100% e condenaria sua prática 100%. Não deixaria de amá-lo, mas garanto que ia condenar. Há uma ideia na sociedade de que amar é ser tolerante e encobrir o erro do outro. Pelo contrário, amar é dizer a verdade e confrontar o outro para ajudá-lo a ser melhor.

iG: O presidente americano Barack Obama declarou recentemente ser a favor do casamento gay. O senhor acha que essa posição pode fortalecer o movimento gay?

Silas Malafaia: Sim. Mas, pressionado, o presidente Obama está fazendo um jogo de uma cartada de alto risco. Se a eleição americana tivesse um republicano forte, com liderança, jamais o Obama abriria a boca para falar isso. É ruim, amigão.

iG: Ultimamente as telenovelas da Rede Globo costumam contar com personagens homossexuais. Qual é a sua opinião?

Silas Malafaia: (Irônico) Querido, muitos escritores da Globo são gays, né, irmão. O mais famoso deles é gay declarado. Escrevi uma carta para a direção da Globo dizendo o seguinte: imagina se na novela das 18h, das 19h, das 21h e nos humorísticos tivessem personagens evangélicos. Não ia ser uma chatice? Acho que sim. Eles estão caindo no ridículo porque já está ficando chato demais. E outra. Você já viu que os gays nas novelas são politicamente corretos? E os evangélicos são babacas, estúpidos, idiotas. Qual é o objetivo? Irmão, o ser humano é um ser social, que vive de identificação. A televisão é um instrumento poderoso para mudar comportamento.

iG: O senhor costuma dizer que a maior parte dos abortos é fruto de promiscuidade e irresponsabilidade. E em casos de estupro e de bebês anencéfalos, qual é a sua opinião?

Silas Malafaia: Irmão, sou contra qualquer tipo de aborto e te explico o motivo. Na gestação, o agente passivo é a mãe. O agente ativo é o feto, ele não é prolongamento do corpo da mãe. É o bebê que regula a estação da mãe, o líquido amniótico. Se não estivesse protegido por aquela capa, ele era expulso do corpo da mulher como um corpo estranho. Doa essa criança!

iG: Algumas pessoas defendem a ideia de que muitas mulheres morrem em clínicas clandestinas de aborto. Se a prática fosse legalizada, isso não ocorreria. O aborto é uma questão de saúde pública?

Silas Malafaia: Saúde pública é proteger a mãe e o bebê. Não existe saúde pública protegendo a mãe e matando o bebê. Saúde pública é dar vida, longevidade.

iG: Em junho do ano que vem, a Igreja Católica vai realizar no Rio a Jornada Mundial da Juventude, com a vinda do Papa. O que o senhor acha da realização desse evento na cidade?

Silas Malafaia: Parabéns para a Igreja Católica. Acho bacana a conscientização à juventude. Dou parabéns, não tenho nada contra.

iG: Foi veiculada na Rede Record, do bispo Edir Macedo, uma matéria atacando o apóstolo Valdemiro Santiago. Após a exibição, o senhor declarou que era o “sujo falando do mal lavado”.

Silas Malafaia: Eu já defendi ambos em situações difíceis, até de perseguição. Não me arrependo. Critiquei a matéria porque quem é Macedo para falar de Valdemiro? Como ele pode fazer essas acusações? Ele tem que ficar quieto. Com que dinheiro foi comprada a Rede Record? Com a oferta de dízimos. Então ele não tem autoridade para falar. E o senhor Valdemiro, que vem batendo no Macedo, também não tem autoridade para falar. É feio para o Valdemiro cuspir no prato que comeu.

iG: Como é a sua relação atual com eles?

Silas Malafaia: Mantenho distância dos dois por causa das posturas desleais que ambos tiveram comigo. O Valdemiro comprou o meu horário na TV, oferecendo uma quantia maior. Defendo o cara no meu programa quando outros descem o pau nele e ele vai por trás e compra o meu horário? (Indignado) Tenho princípio de caráter e moral, amigo. O Macedo eu defendi, sem ter me pedido, quando ele foi preso. Marquei minha posição. Aí, ele aumentou quase dez vezes o valor do horário que eu tinha na emissora dele para me colocar para fora porque não quis participar de um esquema político.

iG: Como era esse esquema?

Silas Malafaia: Ele queria que eu me candidatasse em 1998 a deputado federal e neguei. Se ele tivesse caráter e falasse que não me queria mais na emissora dele, eu o teria respeitado. Sua atitude não foi só deselegante, como também faltou ética.

iG: Tantos anos depois desse convite, hoje o senhor pensa em entrar para a política?

Silas Malafaia: Amigo, sou pastor. Sou um cara para influenciar, não para ser. Aqui no Estado do Rio, ajudei a eleger meu irmão (Samuel Malafaia - PSD) como terceiro deputado estadual mais votado e ajudei outros três deputados federais. Quero influenciar. Ser, nunca. Nem para o cargo de assistente de carimbador de vereador quero concorrer.

iG: Em 2009, houve uma polêmica com o jatinho que o senhor comprou nos Estados Unidos. Em quais situações ele é utilizado?

Silas Malafaia: Não tenho nada a esconder, irmão. Nunca enganei as pessoas que colaboram comigo. O avião era usado, custou três milhões de dólares e está em nome da Associação Vitória em Cristo. Sou presidente de uma instituição, viajo pra cima e pra baixo, ela tem fundos, meus parceiros são informados do que vou fazer e querem me acusar de quê? O Papa pode andar de jumbo. Mas pastor quando anda de avião é ladrão e está roubando o povo otário que não sabe nada.

iG: Como é o nível de escolaridade dos fiéis da sua igreja?

Silas Malafaia: Amigo, na minha igreja tem desembargador, procurador, empresários, pessoas fazendo doutorado e gente pobre também. A igreja evangélica tem todos os tipos de classe. Pensam que ela é formada por um bando de babacas iletrados e um malandro toma o dinheiro deles e faz o que quer. Igreja, como qualquer entidade sem fins lucrativos, não paga Imposto de Renda, mas é obrigada a declarar o movimento. Se eu estiver fazendo sacanagem, vou para o saco, irmão!

iG: E por que teve tanta repercussão aquele vídeo (assista) em que o senhor pedia um mês de aluguel para plantar a semente da casa própria?

Silas Malafaia: Vai ver o troço, rapaz (irritado). Fiz um vídeo para os membros da minha igreja. Uma campanha: se você acredita e quer, pegue um mês de aluguel, que pode ser dividido por um ano, e semeie pela fé como oferta na igreja, acreditando e crendo que Deus vai abrir uma porta para você ter uma casa própria. É para quem crê. Ninguém é obrigado.

iG: Não são por causa de iniciativas como essa que surgem os preconceitos?

Silas Malafaia: Filho, não posso prometer aquilo que não tenho poder para dar. Uma coisa é dizer (eleva o tom de voz): me dê uma oferta que você vai comprar a sua casa própria. Outra coisa é dizer (abaixa o tom de voz): meus irmãos, quero fazer uma campanha de fé para quem desejar. Se você não crê, não faça. Quer ir à minha igreja para ver os testemunhos de quantas pessoas que moravam de aluguel compraram a casa própria? Irmão, com todo respeito, não sou um pastor analfabeto. Tenho formação. Não sou um mané e nem minha igreja é de idiotas. Se chego na minha igreja e digo que, se o cara der uma oferta, ele ganha aquilo, sou colocado pra fora.

iG: De onde vem o seu dinheiro?

Silas Malafaia: Sou dono da editora Central Gospel. Da igreja tenho direito a salário, mas como estou no projeto gigante de abrir igrejas, abri mão. Sou o pastor que mais vende palestras em DVD e livros no País. No ano passado, só a Avon comprou mais de 500 mil livros meus. Nos últimos cinco anos, vendi em cada ano mais de um milhão de livros. Como tenho outro meio de renda, abri mão do salário da igreja. Não porque ela não quis pagar. Ela paga muito bem a pastor.

iG: E o senhor faz declaração do Imposto de Renda...

Silas Malafaia: Lógico, hermano. Tudo meu, brother, está declarado. Um apartamento que tenho em Boca Ratton, nos Estados Unidos, usado pelo meu filho quando estava fazendo universidade, financiado em 30 anos, consta na declaração de ativos no exterior no Banco Central. Estou muito bem documentado. Meu amigo, o único animal que tenho é um cachorro, não tenho gado, fazenda nem sítio. Moro em uma boa casa em um condomínio no Recreio dos Bandeirantes (bairro da zona oeste do Rio), que adquiri a cinco ou seis anos. Tenho minha consciência limpa. Sou dono da segunda maior editora gospel do País. Ela fatura mais de R$ 50 milhões por ano. Então acho que posso ter alguma coisinha.

iG: Quanto ganham em média os pastores da sua igreja?

Silas Malafaia: Ninguém ganha igual. Cada um tem o seu valor. Tenho pastores que ganham entre R$ 4 mil e R$ 22 mil. Pastores que mando para outro estado, pago casa, água, luz, escola dos filhos, gasolina. Dou dignidade aos caras. Não trabalho com zé bobão. Tinha dois pastores que eram advogados e possuíam escritórios de advocacia. Cheguei e perguntei: amigo, o que você quer ser? Pastor ou advogado? Qual é teu chamado? Pastor? Então fecha essa porcaria e vem comigo. Não tenho gente que não ia ser nada na vida e virou pastor.

iG: O senhor diz que é o único pastor que fala em valores. Quanto o senhor paga pelo o seu tempo na TV?

Silas Malafaia: Não posso dizer o que pago na Band por regra contratual. Na Rede TV, pago R$ 900 mil por mês. Na CNT, pago R$ 450 mil. Eu dou número, amigo. Não tenho problemas.

iG: Para finalizar, o senhor aceitaria receber dízimo de um político de Brasília?

Silas Malafaia: Amigo, em todo seguimento tem bandido. Pastor, padre, jornalista, médico, advogado e vai embora. Se um cara é membro da minha igreja e dá o dízimo, ele não dá na minha mão. Tenho 25 mil membros. Meu irmão é deputado no Rio. Dá dízimo na minha igreja. Se um cara chega para mim e diz que fez uma tramoia, não quero. Não posso ficar perguntando a 25 mil membros de onde vem o dinheiro. Recebo o dízimo porque não acredito que todo político seja bandido. Se eu souber de onde vem o dinheiro, muda a situação. Ô pastor, fiz um negócio aqui com a Delta ou com o Cachoeira... (ri)!

fonte;

ATENÇAO: IMAGENS MUITO FORTES, MORDIDA DE PIT-BUL.

Essas fotos foram recebidas por e-mail, quem tem o estomago fraco melhor nem olhar.
Esse tipo de cão não é para qualquer um criar, na opinião da maioria da população, teria que ter uma licença para criar  um animal desses, tão violento quando não bem treinado na maioria das vezes.
Sem sombra de dúvidas, comparando com outras raças é o que mais causa medo, sem contar que o índice de acidentes vem aumentando a cada dia.
Vamos esperar um pitbull fazer isso com um filho de um deputado ou senador, ai talvez a coisa mude…


mordidas-pit-bull8
mordidas-pit-bull0
mordidas-pit-bull1
mordidas-pit-bull6

Estudo: Vacina Contra a Gripe Suína aumenta 17 vezes a Chance de Narcolepsia.


NaturalNews



Os danos a longo prazo para a saúde causadas pela farsa da grande "pandemia" de gripe H1N1de 2009, e particularmente a campanha de vacinação em massa que a acompanhou, já estão se tornando aparente na forma de uma desordem auto-imune. Uma nova revisão publicada na revista Public Library of Science ONE confirma que Pandemrix, a vacina contra agripe suína produzido pela gigante farmacêutica GlaxoSmithKline (GSK), é responsável por causar um aumento de até 1700 por cento na narcolepsia entre crianças e adolescentes com menos de 17 anos de idade. A narcolepsia é um distúrbio do sono caracterizado por uma sonolência excessiva e por ataques de sono em lugares inapropriados.



Baseado em suas descobertas, um grupo de cientistas da Finlândia determinou que as taxas de narcolepsia aumentaram significativamente após as campanhas de vacinação em massa com a vacina Pandemrix. Dados compilados revelaram que entre 2002 e 2009 a taxa de narcolepsia entre as crianças menores de 17 anos foi de 0,31 a cada 100 mil. Mas em 2010, esse número saltou para 5,3 a cada 100 mil, o que representa um aumento de 17 vezes.



Da mesma forma, a pesquisa compilada por Markku Partinen do Clínica do Sono de Helsinki e Nohynek Hanna, do Instituto Nacional de Saúde e Bem-estar da Finlândia, sendo que ambos também estavam envolvidos na nova pesquisa, determinou uma relação entre a Pandemrix e a narcolepsia. Se descobriu também que 




Mas porque o tema da controvérsia é uma vacina, os pesquisadores foram rápido para injetar várias advertências em suas descobertas que desvia parte da culpa para outras causas potenciais. Em sua conclusão "amaciada" e politicamente correta, os pesquisadores disseram que "consideram que é provável que a vacinação com a Pandemrix contribuiu, talvez em conjunto com outros fatores ambientais, para este aumento em crianças geneticamente suscetíveis."



Mas as descobertas são fortes o suficiente para fazer com que oficiais da saúde na Grã-Bretanha começassem a sua própria investigação sobre a Pandemrix causa narcolepsia em crianças. Embora a Agência de Proteção da Saúde (HPA) do Reino Unido declarou que a vacina contra a gripe sazonal não está ligado a narcolepsia, a agência está preocupada que Pandemrix seja de uma espécie diferente, e que não é necessariamente segura para as criança.



Em 2009 foi confirmado que a narcolepsia é realmente uma desordem auto-imune caracterizada pela falta de células cerebrais que são responsáveis pela produção de hipocretina, um hormônio que promove o despertar. Com base nesses resultados, que foram publicados na revista Nature Genetics, parece que a vacina Pandemrix pode ser realmente responsável por estimular o sistema imunológico a destruir células vitais produtoras de hormônio em crianças pequenas.



-----------------------------------



Cobrimos aqui neste blog em 2010 que a Finlândia havia suspendido a vacinação contra o H1N1 depois do grande aumento de casos de narcolepsia.


FONTE;

Ateu pode ser preso por até 11 anos por negar a Deus em seu Facebook.



Um ateu da Indonésia que postou em seu Facebook “Deus não existe" e que modera uma página voltada aos ateus, pode ser sentenciado a até 11 anos de prisão por quebrar a lei anti-blasfêmia da mais populosa nação muçulmana.

Alex Aan (foto), um funcionário público de 31 anos, foi agredido em sua cidade Pulau Punjung, por uma multidão, após ter postado o comentário que incluía uma imagem do profeta Maomé, e logo depois foi detido e acusado por blasfêmia. Embora, a Indonésia possua leis para a liberdade de religião, elas só se aplicam a pessoas de seis crenças: Islã, Catolicismo, Protestantismo, Budismo, o Hinduísmo e o Confucionismo.

O ateu está oficialmente sendo acusado de insultar a principal religião, o que pode chegar a uma sentença de no máximo 5 anos de prisão, mas ele pode também receber uma sentença adicional de 6 anos por usar a internet para espalhar "as mensagens blasfêmicas." Acredita-se que Aan é o primeiro indonês a ser julgado sob a filosofia de estado, que requer a crença em Deus. O governo não permite a não crença em Deus, conforme salientado no relatório do Departamento Internacional de Liberdade Religiosa dos Estados Unidos.

“Ele demonstrou sua intenção de se converter ao Islamismo, porém, ele não fez declarações de fé. Nem mesmo se ele converter-se, não poderia livrar-se das acusações, devido seu ato de blasfêmia”, disse o chefe da polícia de Jakarta, Chairul Aziz.

Algumas pessoas da página ateia do Facebook que ele iniciou, foram ainda mais longe pedindo por sua decaptação.

“Esses ateus deveriam ser decaptados, é isso que merecem”, escreveu Putra Tama, um muçumano da província vizinha de Jambi.

Atualmente, Aan está sob regime de prisão preventiva aguardando o veredito que irá decidir seu destino.

"A verdade é muito perigosa", expressou Aan em uma entrevista ao The Guardian. “Estou realmente preocupado com meu futuro. E somente agora estou começando a pensar como vou lidar com isso.”

Aan revelou também que estava sendo agredido na prisão por um grupo de detentos, após descobrirem seu o ato de blasfêmia contra o Islamismo.

“O que Alex ‘fez’ foi exercitar sua liberdade de expressão," disse Taufik Fajrin, um de seus cinco advogados que o representa em seu caso. "Iremos fazer nosso melhor para libertá-lo, mas só espero que receba o mínimo da sentença. Promover os direitos humanos aqui é difícil, porque você enfrenta fanáticos e culturalistas radicais. Mesmo nós, como seus advogados, estamos preocupados que radicais venham ao nosso escritório ou casas e nos apedrejem. Isso é um desafio."

Pelas avaliações dos advogados há cerca de 2,000 ateus na Indonésia em um país de 240 milhões de habitantes onde a maioria é muçulmana.

fonte.

Grupo gay faz campanha para que Bíblias doadas pelos Gideões Missionários não sejam aceitas.



Em Edimburgo, Escócia, um grupo ativista homossexual, chamado Associação Policia Gay (APG), realisou uma campanha pressionando para polícia do país não aceite doações de Bíblias realizada pelos Gideões Internacionais, com o símbolo do distintivo da polícia escocesa na capa do livro. O grupo se posicionou contra afirmando que a Bíblia é um livro homofóbico e exigindo que a polícia escocesa recuse as doações.

O trabalho de distribuição de Bíblias dos Gideões Internacionais é realizado em vários países. Na Escócia, as versões com capas diferenciadas foram feitas para “ser oferecidas a todos os membros da polícia, tanto aos funcionários uniformizados quanto aos funcionários civis”, conforme revelou o instituto.

A Associação Policia Gay explicou sua iniciativa como uma defesa de seus direitos após reclamações de alguns membros, “alguns haviam nos contactado expressando preocupação de que sua instituição policial estava oficialmente apoiando um livro religioso que contém texto que condena a homossexualidade”, dizia o comunicado do grupo.

Eles defendem a isenção da instituição policial em relação à instituição religiosa, “A APG não sente que um serviço público, tal como a polícia, deveria ser visto como apoiando, por seu envolvimento ativo, qualquer religião particular acima de qualquer outra religião ou não-religião”, e complementam, “certamente isso pode ser feito sem nenhum envolvimento da instituição policial”.

fonte;

Cantora Sula Miranda volta a carreira secular e nega que seja evangélica.



Sula Miranda está retomando a carreira secular após um período afastada, que foi dedicado à sua fé em Jesus e projetos pessoais. Além de cantora, a artista é apresentadora e decoradora. “Às vezes eu tenho que ir para a TV e passo nas obras antes toda arrumada. No fim de semana, eu canto. Eu consigo me dividir em muitas, ainda mais para ficar com o meu filho”, disse.

Neste fim de semana, Sula é a convidada para dar dicas culturais aos internautas. A palavra de Deus, muito importante no dia-a-dia da artista, esteve presente nas sugestões. Sula indicou o filme “Cartas para Deus”, de David Nixon, e o livro “Nos Seus Passos O que Faria Jesus?”, do pastor americano Charles Sheldon.

Contrário ao que muitos pensam, a cantora não se considera evangélica. "Eu costumo pregar a fé racional. Não tem essa de placa de igreja. Eu não gosto de falar que eu sou evangélica. Eu creio na bíblia e sigo a Jesus”, contou. Criada em família católica, ela já circulou entre diversas crenças. “A religiosidade escraviza as pessoas. Hoje eu falo que encontrar Deus é muito mais simples. Eu falo com Ele diretamente, não há intermediário”, esclareceu.

Sula morou sempre na cidade de São Paulo, por isso sugeriu um restaurante da capital. O Josephine tem um cardápio contemporâneo com pratos tipicamente brasileiros. “Adoro locais tranquilos para bater papo com os amigos. Não vou a baladas ou bares porque, de som alto, já basta o show”, disse.

Em relação à música, ela comentou sobre duas cantoras nacionais, a colega de estilo musical Paula Fernandes e Ana Carolina, que segue a MPB. “As meninas estão super centradas, diferente da maior parte dos homens. A música delas tem conteúdo”, opinou. A sua música favorita é “Quem de nós dois”, de Ana Carolina.

Quanto a destino de viagens, Sula prefere o sossego de Santa Catarina. “Tudo me encanta lá, eu realmente recomendo. Se eu tivesse que escolher outra cidade para morar, seria lá, pois é organizada, limpa, chique e tem pessoas bonitas. Sem contar o clima, que tem frio e calor misturado”, afirmou.

Se o objetivo for viajar para fora do país, ela não teve dúvidas ao citar Paris. “Eu amei aquela cidade. Eu fui para o casamento de uma amiga e gravei matérias para um programa. Fiquei muito pouco, só quatro dias, e gostaria muito de ir para ficar um mês. Alugaria um flat e curtiria a cidade a pé, de bicicleta...”, sugeriu.

Na entrevista, Sula também falou com exclusividade ao Portal da Band sobre fama, carreira, fé e família:

Agora você vai voltar a fazer shows com mais frequência?

Sim, eu estou retomando a minha carreira secular. Vou voltar às raízes e cantar sertanejo, mas sem deixar de lado as músicas em que prego a palavra de Deus. Todo mundo canta “Ave Maria” e “Jesus Cristo” com Roberto Carlos, então por que eu não posso gravar uma música com o nome de Deus?

Você acredita que há uma tendência em artistas que já fizeram muito sucesso se converterem?

Não existe isso. Ninguém sai da música popular e vai para o gospel com o objetivo de ganhar dinheiro. Se eu faço um show sertanejo, meu cachê é 50 mil. Se eu vou a uma igreja louvar, não ganho nem 10% disso. Eu cobro sim, porque eu saio da minha casa, tenho despesas, tenho que deixar uma estrutura para cuidar de meu filho. Esse não é o meu sustento, mas eu tenho que cobrar. Nós somos dignos do que ganhamos através do trabalho.

Você nasceu em família católica?

Eu fui criada e batizada na fé católica, mas como todo bom brasileiro eu migrei para tudo. Eu comecei a minha busca para encontrar algo que me satisfizesse. Hoje eu posso falar do que eu gosto porque eu vivi diversas crenças. Não gosto da palavra “religião”, eu tenho fé.

Então você não se considera evangélica?

Não, porque não existe igreja boa ou ruim. O importante é ter fé e falar direto com Deus.

Você atua em diversas áreas, como cantora, apresentadora, decoradora. Dá tempo de fazer tudo?

Eu me desdobro toda, mas dá sim. No mesmo dia, gravo programa, vou para a obra. No fim de semana, tenho show. Mas o mais importante para mim é cuidar bem do meu filho [Natan, de 13 anos], por isso não faço mais tantos cursos. Eu comecei a fazer decoração em minha gravidez, porque não podia viajar. Eu também fiz Educação Artística na faculdade Belas Artes, de São Paulo. Organizo mostras na área de decoração e cuido de obras. Nesse tempo que eu escolhi para ficar distante da mídia, tive tempo para fazer muitas coisas que antes não dava tempo. Agora vou voltar aos poucos à minha carreira.

fonte;

Video do momento da cura com Roberto tannus.

Veja o video do momento que o rapaz é curado na Noite de Cura e liberetação com Roberto Tannus. Ele começou a ouvir naquele momento!!!!! Que a alegria desse rapaz, que alegria para todos nós!!!!

Carta aberta de um profeta que diz que pastor não precisa estudar.



Presado pasto Renato,

Estou escrevendo esse testo, porque o sinhor vive disendo que pasto presiza instudar. Olha eu dinscordo do sinhor. homi de deus não presiza instudar, pastor nececita é de puder di deus. a Bibla, pasto Renato é um livro importamte, mais desnecesario sem o puder de jeová.

Pasto renato o sinho nunca leo que a letra mata? se leo porque fica mandando a gente le a bibla? O que preicisamus é do de re-té-té de jeová , subi ao monte, esprimentar gira santa e ouvi os misterio de papai.

Outra coisa pasto Renato, eza coisa de escola domincal é coisa de cremti frio. nós não preciza disso, nos presisza de fogo. portamto, para com eza instória de que pasto presiza instudar. por acauso voce nunca leo na Bibla que ao abri a boca deus encheria? entaoce é iso que homi de deus tem que faze. Estuda é bobagem, é só subi no pulpito que deus dá o misterio.

Pasto Renato, é mior o sinho se arrependê desses ensinus encapetatu. para de mandar nós instudar. nós não preciza disso. o que nos que é lovar a deus, se abensoado e exprimentar as riquesas deste mundao.

deus bensoe o senhor e nao recrame desta carta, porque se assim ficer, estara tucando no ungido do sinhor.

Profeta Macalé.

fonte;