IMPORTANTE!!!

Nascemos, crescemos e vivemos como se a vida fosse apenas um pequeno espaço de tempo que temos para cumprir aqui na terra. Vivemos em busca de um dia melhor , mais interessante que o outro, corremos em busca muitas vezes de alegria, de sucesso, de fama, de uma vida profissional; bem sucedida. Ou simplesmente de viver cada dia como se fosse o ultimo de nossas vidas. Curtir, sair para se divertir, correr, pular, correr, dançar enfim viver correndo para tudo como se não houvesse o futuro a nos esperar. Nos enganamos se pensamos ou vivemos assim, existe um futuro que pode ser eternamente bom ou eternamente ruim, isso só depende do caminho que eu e você procuramos seguir hoje. A Vida como um jardim, que hoje as flores nascem, florescem e amanhã murcham e cai. Mas existe um amor que nos faz viver e eternamente bem, existe um lugar onde as flores não morrerão, onde não haverá cansaço, não haverá nem correria, um lugar onde o senhor preparou para nóis ao seu lado vivermos. Jesus no quer que você deixe de viver. Corra, brinque, se alegre, sorria, seja um jovem feliz, mais lembre-se que você pode ser assim e ter um futuro muito melhor com Jesus na sua vida. Porque Jesus morreu para que nós tenhamos vida e vida com abundância no Senhor. Jesus ama você. Aceite o desafio de conhecer e viver com Jesus.

ATENÇÃO.

ESCLARECIMENTO: ESTE BLOG NÃO TEM A INTENÇÃO DE JULGAR NENHUM TIPO DE CRENÇA OU RELIGIÃO, E SIM LEVAR O CONHECIMENTO E A INFORMAÇÃO AO POVO DE DEUS, E AS PESSOAS, DAS COISAS QUE ESTÃO ACONTECENDO NA INTERNET E NO MUNDO. MUITAS COISAS AQUI PODEM NÃO SEREM VERDADE, POIS TEMOS QUE ANALISAR AS COISAS, E VER O QUE ESTÁ CORRETO OU NÃO. JESUS DISSE: PROVAI DE TUDO E RETEM O QUE É BOM. TAMBÉM DISSE: MEU POVO PERECE POR FALTA DE CONHECIMENTO. E EU DIGO: CONTRA FATOS, NÃO HÁ ARGUMENTOS. PEÇO AOS IRMÃOS QUE OREM POR NÓS.
QUE A PAZ DE JESUS ESTEJA COM TODOS.

África do Sul usa lei dos tempos do apartheid e indicia mineiros por massacre de colegas.


Crédito : EPA
Nesta quinta (30) cerca de 270 mineiros foram acusados pelo assassinato de 34 colegas durante uma greve na África do Sul. Os colegas foram mortos pela polícia e os indiciados foram os sobreviventes. Para culpar os trabalhadores pelo ato da corporação, a promotoria sul-africana recorreu a uma lei dos tempos do apartheid, que possibilita a responsabilização da vítima pela ocorrência de um crime. 
De acordo com Frank Lesenyego, porta-voz da promotoria nacional sul-africana, “a polícia atirou, mas ela foi atacada pelos manifestantes, que estavam armados. Por isso, os 270 (mineiros) são acusados de assassinato”. A comissária de polícia Riah Phiyega tem sido duramente criticada por ter dito que seus comandados “não fizeram nada errado” e teriam agido “em legítima defesa”. 
Ainda segundo ela, eles empregaram munição real somente depois de tiros terem sido disparados contra eles. Ela porém, não comentou a denúncia de que muitos dos mortos foram atingidos pelas costas. 
Reação - Para o líder político de oposição ao presidente Jacob Zuma, Julius Malema, o indiciamento dos mineiros é um ato de insanidade do governo. “Os policiais que mataram aquelas pessoas não estão presos. Nenhum deles. Isso é loucura. O mundo inteiro viu os policiais matarem aquelas pessoas”, declarou Malema. 
A decisão de indiciar os sobreviventes pelo massacre cometido pela polícia sugere uma disposição do governo sul-africano de transferir a culpa pelas mortes dos policiais para os grevistas e acarreta o risco de aumentar ainda mais a indignação dos sul-africanos, já chocados com a violenta repressão à greve. 
O massacre – No dia 16 de agosto, a polícia sul-africana atuou para reprimir uma  paralisação na mina de platina de Marikana, operada pela Lonmin. Nenhum policial ficou ferido no episódio, mas 34 mineiros foram mortos, 78 ficaram feridas e cerca de 270 foram presos, sendo que 150 dos detidos apresentaram queixas formais de espancamento pela polícia, segundo dados divulgados esta semana pela corregedoria sul-africana. 
Moses Dlamini, porta-voz da corregedoria, disse que os mineiros espancados relataram que os agressores bateram para forçá-los a denunciar quem estivera envolvido na morte de dois policiais dias antes do massacre dos grevistas. Sobreviventes da repressão disseram que muitos dos mineiros mortos e feridos foram baleados quando fugiam das bombas de gás lacrimogêneo e dos canhões d'água da polícia, mas Dlamini recusou-se a comentar notícias segundo as quais autópsias demonstraram que diversos mineiros foram mortos com tiros nas costas. 
Apartheid - O massacre dos mineiros em greve foi o mais greve episódio de violência do Estado ocorrido na África do Sul depois do fim do regime do apartheid, em 1994. A lei usada para justificar a responsabilização dos mineiros pelo massacre cometido pela polícia vigorava antes da constituição pós-apartheid e foi combatida pelo Congresso Nacional Africano nos tempos de resistência ao regime racista. 
Segundo Lesenyego, apesar de a lei não constar do atual código sul-africano, ela tem sido usada como jurisprudência. 
Com informações da Associated Press.

fonte;

Nenhum comentário: